[ editar artigo]

Quando finalmente o Facebook começou a enxergar as comunidades do jeito que eu sempre enxerguei

Quando finalmente o Facebook começou a enxergar as comunidades do jeito que eu sempre enxerguei

Há 10 anos criei o Mommys. Passado pouco tempo eu, mesmo sem saber os conceitos e teorias, mesmo sem entender direito porque toda aquela mágica acontecia ali dentro, passei a entender o poder da união de pessoas ligadas por um mesmo propósito.

Quando entendi isso, eu comecei a me revoltar, porque ninguém mais entendia. Eu não tinha com quem conversar sobre aquilo tudo que estava acontecendo bem diante dos meus olhos.

Eu e os membros da comunidade (as mommys!) sabíamos muito bem a importância e a potência daquele espaço virtual, mas eu queria que o mundo soubesse. E eu tentava explicar pra quem estava de fora, pra quem não tinha experimentado o que era ser mommy, mas as pessoas nunca entendiam.

Em 2017 o Facebook mudou sua missão, que antes era “aproximar o mundo” para “dar poder para as pessoas construírem comunidade e assim aproximar o mundo”. Eu pensei: será que as pessoas estão começando a entender?

No ano seguinte foi lançado o 1º Programa de Liderança de Comunidades pelo Facebook. Quando eu vi eu tive certeza que aquilo tinha sido feito pra mim. Me inscrevi já com a certeza que seria selecionada (o que não me tirou toda ansiedade do processo... ganhei 7kg em 3 meses... eu queria muito aquilo). Quando veio o resultado positivo eu nem acreditei! 

O valor em dinheiro era o menos importante naquele momento pra mim. Eu me vi deslumbrada pela possibilidade de conhecer pessoas que pensavam como eu, que enxergavam toda aquela mágica que por muitas vezes eu não conseguia explicar. Me vi com sede de conhecimento, queria aprender muito com essas pessoas. E pela primeira vez me senti pertencente no quesito construção de comunidades. 

Eu finalmente tinha encontrado a minha turma, eu finalmente tinha com quem falar e era entendida. Conhecer aqueles 114 líderes de comunidades de todos os lugares do mundo foi uma experiência que não sei se viverei algo parecido novamente. Estar em um treinamento sobre comunidades, conhecer profissionais da área e ouvir deles que aquela seria a profissão do futuro me fez respirar aliviada. As pessoas entendiam!!!

O programa durou 1 ano e a minha paixão por comunidades só aumentou. Voltei pro Brasil com mais sede, com mais vontade de encontrar aqui, mais pessoas e mais conteúdo. E aí percebi que aqui o espaço ainda era pouco habitado.

No entanto, eu acredito que as discussões geradas acerca do Marketing 4.0 colocaram as comunidades em destaque. E não mais que de repente as comunidades se tornaram a menina dos olhos do marketing digital, começou-se a falar muito no marketing de comunidades.

Eu, que nunca estudei e nem trabalhei com marketing, o agradeço por isso. Mas faço uma ressalva: não podemos reduzir as comunidades à estratégia de marketing, muito embora, elas podem ser excelentes estratégias de marketing, se forem construídas da maneira correta.

Comunidade é muito mais, comunidade tem vida própria, é local de transformação e crescimento antes de tudo, não se trata apenas de estratégia, mas também de movimentos e causas.

As comunidades podem, e devem, fazer parte do planejamento de marketing de marcas e empresas, mas o conceito deve vir antes. É preciso disposição para colocar energia na construção de uma comunidade. É preciso entender a dinâmica e estar disposto a criar relacionamentos reais. É preciso conexão e confiança. Por fim, é preciso ter um propósito compartilhado.

E você, quando entendeu o poder de uma comunidade? Compartilha nos comentários :)

Tribos
Mariana Bicalho
Mariana Bicalho Seguir

Community builder, idealizadora Grupo Mommys, considerada pelo Facebook como uma das 100 comunidades de maior impacto no mundo. Acredita que compartilhar experiências é a melhor forma de aprender e que a força das comunidades pode mudar o mundo.

Ler conteúdo completo
Indicados para você