[ editar artigo]

Como pretendo criar uma comunidade! (parte 1 de “infinito”)

Como pretendo criar uma comunidade! (parte 1 de “infinito”)

Olá, esse é o meu primeiro artigo aqui na Tribos! Espero que ele contribua com você que precisa criar uma comunidade e não descobriu ainda por onde começar.

Apesar de ainda não ser Community Manager ,  estou aprendendo  muito sobre o tema, portanto suas críticas, elogios, sugestões serão muito bem-vindos, até para que eu consiga colocar em prática todas esses conteúdos :D

Antes de entrar no assunto do título, vou contar um pouco da história sobre como me motivei a desbravar no tema.

Não fazia parte de uma comunidade, não me sentia representado, não existia um propósito que me motivava. Mas, algumas pessoas entraram na minha vida, e tudo mudou desde então. 

Durante a organização do primeiro Startup Weekend (SW) online, pude conhecer muitas pessoas. Eles falavam de seus ecossistemas, comunidades de startups etc. Eu ficava admirado, refletindo, pensativo “uau! que demais, não tenho e não vejo isso por aqui, talvez não tenha nem meia dúzias de amigos que falem sobre startups”.

Nesses bate papos, se me perguntassem algo sobre, eu já tinha uma resposta na ponta da língua: "na minha cidade existe um protótipo que os idealizadores aguardam pela prefeitura. Mas talvez o ego e interesses próprios estejam atrasando esse lançamento". Porém, dias após o SW, navegando pelo Linkedin, vi um post da Jenyffer Braz de Carvalho (a primeira Jen :) ), anunciando um meetup (imagem abaixo). Me inscrevi como ouvinte, pois sou Feira de Santana - BA, Bauru e São Carlos - SP. pensei que poderia ser uma oportunidade de saber mais sobre e fazer networking.

Durante a introdução do meetup , eu pensei em sair da sala, pois achava que seria algo muito específico das duas cidades e que não tinha sentido eu continuar ali. Durante o encontro, avisei a Jenyffer que iria sair e ela me respondeu para ficar e assim fiz. Foi muito legal e proveitoso! Tenho muito que agradecer a Jenyffer que me fez ficar e a Adriana Kaku se colocou a disposição em bater um papo posteriormente para me explicar mais sobre o tema. Achei fantástica a disposição e apoio de alguém que eu acabara de conhecer..

Saí do meetup com a motivação e a pretensão de criar uma comunidade para estimular o desenvolvimento do empreendedorismo, startups, ter pessoas com o mesmo espírito de comunidade na minha cidade. Foi aí, que falei a respeito da ideia com o Sebastião Neto (organizador de SW da minha cidade há mais tempo). Ele gostou do objetivo e disse que toparia o desafio, pois, sentia mesma dor que eu. Nesse momento, o “pretendo” criar, transformou-se em “pretendemos” criar.

Eis que a Jen Medeiros (a segunda Jen) cruza o meu caminho no Linkedin (observação para essa ferramenta que permite encontrar e ser encontrado):

 

Ela me deu dicas sobre conteúdo, e aqui estou eu. Tenho acompanhado encontros, fóruns, vídeos e cursos sobre a temática de comunidades, inclusive o papo com a Kaku que conheci no meetup, aconteceu!

Depois de uma bela introdução sobre como descobri esse universo, vou mostrar os passos que venho seguindo com os aprendizados de tanta gente bacana. E o primeiro é: se temos uma ideia, precisamos validar se o problema existe.

Fase 1: Validação do problema: nesse momento, não sabemos ainda se essa dor é uma dor que incomoda mais pessoas ou se as pessoas não tem a consciência que isso possa ser uma dor. Confuso?!

- Validação: através de grupos: de SW passados, de hackathons, de amigos etc.

- Formação do time (entre 5 e 10): localizar pessoas que sentem a mesma dor e que queiram fazer parte dessa construção.

- Identificar o proposito: sim, mas é o proposito pessoal de cada um com relação à comunidade e alinhá-los.

- Reconhecimento do território: mapeamento das empresas, startups, comunidades.

- Criar “preencher” o Community Canvas: proposito, identidade etc. da comunidade.

Estamos nessa fase de validação e só tenho a agradecer aos envolvidos nessa história.

Jeny, sem o seu compartilhamento do meetup, sem o seu incentivo para eu assistir até o fim, muito provável que eu não chegasse até aqui, pois, me motivou e muito. 

Kaku, por sua solidariedade, atenção, ensinamentos, conselhos e o seu precioso tempo... sem palavras.

Jen, pela sua atenção em responder a um comentário de um desconhecido, pelas informações e pelo convite.

Tião, pela parceria e por aceitar o desafio. Temos muito trabalho pela frente!

E a você também, meu caro leitor, por que, não?! Pelo seu tempo e contribuição (comentário, like, compartilhamento).

Gratidão!

Tribos
Uandisson Miranda
Uandisson Miranda Seguir

Acredito que a tecnologia e inovação aliada a talentos podem muda o mundo, dessa forma, busco levar esse conhecimento para as pessoas, disseminando o conhecimento e aprendendo com elas.

Ler conteúdo completo
Indicados para você